7 Coisas Bizarras ou Curiosas para se Fazer em Tóquio!

Robot Restaurant em Tóquio. Photo by Chris McGrath/Getty Images

Robot Restaurant em Tóquio. Photo by Chris McGrath/Getty Images

Se você está procurando o que fazer em Tóquio pode encontrar muita informação na web à respeito de templos, parques e bairros específicos. São tantas as atrações em Tóquio que fica muito difícil inumerás-las em um só post.

Mas se a a sua idéia de passeios em Tóquio também inclui programas bizarros, continue lendo!

O que fazer em Tokyo: 7 programas Bizarros

Mistura de cultura milenar e extravagância, Tóquio sempre foi alvo de muita curiosidade entre os ocidentais. Todo mundo já viu aqueles programas de TV bizarros mostrando humilhações ou punições estranhas, mas na verdade essa não é a norma da cultura japonesa.

Na verdade, o Japão é uma sociedade muito conservadora. Há uma separação muito clara entre as coisas que devem ser levadas a sério - trabalho, família, obrigações sociais - mas por outro lado, quando se trata de coisas para fazer em seu tempo livre, há muita tolerância.

O que vemos na TV faz parte deste escapismo descartável. Nada que envolva o cérebro e faça as pessoas pensarem demais.

Considerando esta idéia, separamos abaixo 7 coisas malucas ou curiosas para fazer em Tóquio durante a sua viagem (se você quiser realmente se divertir horrores)…

  1. Ir ao Robot Restaurant

Desde que li em algum lugar que a experiência nesse restaurante era como "viajar de ácido de cara limpa" fiquei tão curiosa que acabei comprando o ticket online com muita antecedência  só para ter certeza de conseguir lugar.

E a surpresa começou logo na entrada. Com uma aura flashy-decadente, e localizado em uma rua em vias de gentrificação, a fachada do lugar foi a princípio difícil de encontrar, perdida em um mar de painéis neon de gosto duvidoso. 

Apesar de se chamar Robot Restaurant, o estabelecimento é uma casa de shows com poltronas numeradas, servindo hot-dogs e bento boxes. Desistimos logo de comer e pedimos algumas cervejas para distrair enquanto a viagem não começava. 

Mas do que se tratava afinal o famoso Robot Restaurant?

Não demorou muito para descobrirmos.

Robot Restaurant. Não me pergunte o que estou fazendo aqui. Foto: David Mattatia

Robot Restaurant. Não me pergunte o que estou fazendo aqui. Foto: David Mattatia

O espantoso show de música pop japonesa começava com dinossauros rugindo, incluía muitos lasers e alguns monstros. E para completar o quadro, sexy ladies voavam em todas as direções. Tudo muito lógico.

O show terminava em uma épica batalha de robôs de diferentes facções (confesso que não consegui acompanhar direito o enredo da estória) mas acredito que distração pura e simples fazia parte do programa. 

Conclusão: imperdível. Uma dessas pérolas que te oferecem aquele singelo momento de reflexão "que porra é essa?" enquanto você explode de rir.

Onde: Robot Restaurant, 1-7-1 Kabukicho Shinjuku-ku Tokyo, Japan

Você pode comprar o ticket para o Robot Restaurant com a gente!

Evite as filas e compre antecipadamente para reservar seu lugar.

2. Conhecer o Hedgehog Cafe

Kawaii: um adjetivo da língua japonesa, que significa bonitinho, gracioso, adorável ou fofinho. É uma palavra usada para designar personagens “cutes” ou bichinhos fofos que vão de animes à mangas.

A palavra pode também fazer referência a roupas, animais de verdade, bichos de pelúcia e pessoas vestidas de uma forma meio infantilizada.

Enfim. Essa era outra prioridade da lista. Não resisti quando fiquei sabendo que existia um café em Roppongi onde as pessoas poderiam brincar com porcos espinhos (ou ouriços?).

Me informei sobre as condições dos animais, e mesmo em dúvida, fui conferir se eles eram bem tratados.

Também reservei online para garantir lugar (link abaixo).

Chegando lá, surpresa! Nada de café… 

Funciona assim: você escolhe um bicho e paga a cada meia hora. Dependendo do horário você pode alimentá-los com larvinhas. O objetivo é passar o tempo com qualidade e aliviar o stress. Aparentemente, o auge do kawaii na nossa trip! 

E vale a pena ir?

Depende.

Na verdade eles também criam os bichos para vender, portanto o café nada mais é do que um pet-shop disfarçado, ou seja um negócio bem menos inovador do que eu esperava.

Com tanta coisa para fazer por ali, achei meio perda de tempo.

Conclusão do café porco espinho: talvez seja bacana para executivos estressados. Se você não é um deles, só passe por lá se já estiver na área (ou se de repente se você perder o vôo de volta e precisar desestressar)...😅 

Onde: Harry Hedgehog Cafe, Roppongi 6-7-2 Iwahori Building 2F Minato-ku, Tokyo

3. dirigir um Mario Kart

Que tal dirigir um Mario Kart bem no centro de Tóquio?

Você aluga o cosplay (não só de Mario e Luigi, existem vários personagens) escolhe alguns opcionais como auto-falantes bluetooth, GoPro, pega o teu kart e sai dirigindo pelo centro de Shibuya.

Não consegui descobrir se jogar cascas de banana também está liberado, mas saiba que dirigir Kart é totalmente legal no Japão.

Os Karts podem chegar até 60 Km por hora, o que é uma velocidade bem considerável quando você está perto do chão…😆

O vídeo abaixo dá uma idéia de como funciona (fast-forward to 0:30 min):

Só não façam a besteira que fizemos (esquecer a habilitação internacional)…

Veja no site deles todos os requisitos necessários e lembre-se de colocar o documento junto ao passaporte já antes de sair casa para o aeroporto.

Conclusão: nenhuma. Só arrependimento e lágrimas por não ter ido. Prometo postar o update aqui assim que conseguir voltar. 

Onde: MariCar Shibuya, 〒1500044 東京都 Shibuya ward 15-3-4 Maruyama-Cho, Tokyo

4. Se hospedar em um autêntico Ryokan

E o que seria isso?

Segundo o wikipédia, Ryokan (旅館) é uma hospedaria típica japonesa.

Os visitantes dormem em quartos com nomes de flores, em um futon, sobre o tatami, vestidos com o yukata. As diárias incluem o café da manhã e o jantar típicos.

Segundo outras fontes internéticas, ryokans seriam acomodações comuns no interior do país, mas raras em Tóquio, já que os visitantes da capital teriam preferência por pagar menos em hotéis convencionais.

Mas seria isso verdade?

Para tirar a dúvida resolvemos ficar em um, por uma semana!

Lost in translation in Asakusa. Photo: Patti Neves

Lost in translation in Asakusa. Photo: Patti Neves

A primeira impressão em Asakusa, era a de procurar uma agulha no palheiro. 

Após 10-15 minutos de andanças, escondido em uma dessas pequenas ruelas de Tóquio,  acabamos encontrando nossa jóia rara, o ryokan onde passaríamos os próximos dias:

A entrada do nosso ryokan em Asakusa, Tokyo. Photo by  Sadachyio

A entrada do nosso ryokan em Asakusa, Tokyo. Photo by Sadachyio

Embora eu não seja uma autoridade no assunto "ryokans em Tóquio", eu aconselho a experiência por várias razões: 

A recepção acolhedora e personalizada✔️

Diferente de hotéis onde você é só mais um hóspede entre centenas, nos ryokans as pessoas não esquecem seu nome e você ainda recebe pequenos mimos, como por exemplo origamis personalizados para os eventos do dia (ex. no café da manhã) 

Café da manhã autêntico e delicioso✔️

Servindo peixe às 7 da matina (foto abaixo) e muitas outras iguarias japonesas que não conhecíamos, nesse tipo de acomodação você não corre o risco de ter seu café descaracterizado por croissants ou outros ocidentalismos

Leia também: 5 Coisas Gratuitas em Tóquio!

Café da manhã para duas pessoas no ryokan.

Café da manhã para duas pessoas no ryokan.

A oportunidade de aprender um pouco sobre a cultura japonesa✔️

Após uma série de gafes, descobrimos coisas interessantes. Por exemplo: durante toda a estadia eu tinha colocado meu yukata (tipo de kimono) ao contrário, ou seja, a parte da direita fechando sobre a esquerda, o que caracteriza a maneira como os cadáveres são vestidos para as últimas cerimônias (ha ha ha)

Nesse tipo de estabelecimento você tem acesso aos banhos individuais e coletivos✔️

O ritual do ofurô por exemplo, você aprende que começa bem fora da banheira, onde a pessoa deve se lavar nos mínimos detalhes esfregando no corpo os diferentes produtos de higiene, só para depois enxaguar tudo e só então entrar no ofurô, que deve permanecer sempre com a água limpíssima

Conclusão: Experiência muito recomendada! 

Nossa estadia em Tokyo nunca teria sido a mesma se não estivéssemos passado por lá.  Asakusa, o bairro escolhido, também se revelou um lugar muito simpático, cheio de barzinhos e restaurantes. 

Onde: Sukeroku no Yado SADACHIYO, 2-20-1 Asakusa,Taito-ku,Tokyo 111-0032 Japan

 Ps. Ryokan não é uma coisa “maluca” para fazer em Tokyo mas uma acomodação tradicional que pode funcionar de maneira bem extravagante para os ocidentais não habituados.

5. Tomar um drink Lost in Translation

Quem assistiu ao estupendo filme de Sophia Coppola, com o impagável Bill Murray e a maravilhosa Scarlett Johansson deve se lembrar do charmoso bar onde os personagens se encontravam durante a noite.

Em português o filme “Lost in Translation” se chama "Encontros e Desencontros".

Ocupando os 14 pisos superiores de uma torre de 52 andares, o Park Hyatt hotel é mesmo super bacana, mas o que nos interessava realmente era ir até o bar no topo. 

New York Bar, no Park Hyatt em Tokyo. Photo by  Topmiles

New York Bar, no Park Hyatt em Tokyo. Photo by Topmiles

Do bar, de onde se tem uma visão 360 graus da cidade, você pode até avistar o Monte Fuji (durante o dia). À noite, a vista é mais romântica mas requer um conhecimento mínimo da cidade para identificar os pontos de interesse.

A única decepção com o Hyatt é que não pudemos pagar a conta com os pontos de fidelidade, ao contrário do que haviam me dito na recepção. Importante também dizer que se você decidir se hospedar por lá, a conta será bem mais salgada do que um 5 estrelas habitual afinal estamos falando de Tóquio.

Conclusão: Vale a pena. 

Prepare o bolso para pagar os drinks que consumir (claro né haha), e esqueça tua carta de fidelidade, aparentemente somente a Scarlett e o Bill são VIPs por lá.

Onde: Park Hyatt Tokyo, 3-7-1-2 Nishi Shinjuku, Shinjuku-Ku, Tokyo

6. Passar uma noite em um Love Hotel

Essa foi uma das maiores roubadas em que nos metemos por lá.

Equivalente aos motéis do Brasil, os love hotels em Tóquio prometiam cenários bem mais extravagantes, então lá fomos nós fazer o check-out do nosso super nice ryokan, deixar as malas na recepção por uma noite e sair pra night… sem antes reservar onde iríamos dormir. 

Love hotels não aceitam reserva.

O que fazer em Tóquio? Bem…

O que fazer em Tóquio? Bem…

Tudo corria às mil maravilhas até que tarde da noite, resolvemos explorar as ruazinhas onde o guia apontava milhares de opções para encontrar os love hotels.

Na nossa idéia era só escolher o mais louco de todos, entrar, pagar e pronto. 

Único detalhe: a gente tinha esquecido de que era um sabádo a noite. Na rua em que havíamos escolhido, todos os love hotéis pareciam ocupados. 

Para nosso desespero, a escolha acabou virando um “salve-se quem puder” pois era tarde da noite, estávamos cansados e nos demos conta de que dali para frente pagaríamos qualquer preço, em qualquer lugar, afinal dormir na rua não era uma opção.

O que fazer Tokyo? Que tal encontrar um lugar para dormir?

O que fazer Tokyo? Que tal encontrar um lugar para dormir?

Para encurtar a estória, após 45 minutos de busca, acabamos finalmente encontrando um livre. E tenho a dizer que ele era bem esquisito.

A recepcionista escondida atrás de uma especie de confessionário não falava absolutamente nada de inglês, os preços, para serem pagos em uma máquina (tipo ATM) eram super confusos (não sabíamos se estávamos pagando por hora ou pela noite toda) e depois de um certo tempo de confusão, o cansaço venceu.

Aliás, nosso love hotel venceu, pois terminamos pagando qualquer coisa e entrando mesmo assim, só para descobrir os golfinhos enormes e fluorescentes nas paredes. Espelho no teto e música japonesa com voz de menina pré-adolescente completavam o “romântico” cenário.

Desistimos de entender o que estava acontecendo e apagamos. Acordamos com a luz do dia, e mal saíamos da cama, quando tocaram uma campainha.

Assustada, corri até a porta, mas claro, não havia ninguém. Acabamos descobrindo que o café da manhã havia sido deixado em uma espécie de janela secreta.

Bom. Motel né? O que eu estava esperando?

Breakfast no Love hotel. Foto: Patti Neves

Breakfast no Love hotel. Foto: Patti Neves

Surpresa boa: chá verde, biscoitos de gergelim, salada verde e Yakult (ta-dam)!!

Pra quem nem sabia que o café estava incluído, até que não foi tão mal. 

Tudo bem que ninguém quis saber de salada. Alface às 7 da matina é osso.

Conclusão: programa de gosto duvidoso. 

Já desconfiávamos antes pois eu tinha entrado em contato com uma amiga japonesa para tentar reservar com antecedência, mas descobrimos que nenhum love hotel fazia reserva. 

Se você quiser tentar, é por sua conta e risco! 

Onde: Shibuya’s Love Hotel Hill (nome real Dogenzaka)

7. ir à um leilão de atum

O Mercado de Tsukiji é simplesmente o maior mercado de peixes e frutos do mar do mundo.

Localizado no centro de Tokyo, entre o Rio Sumida e o bairro de Ginza, desde 2017 o histórico mercado está para se mudar para um local maior, menos charmoso e mais inconveniente para muitos japoneses (Toyosu), mudança que ainda não ocorreu até hoje, pois as datas continuam mudando.

Na nossa última trip ao Japão, nosso objetivo era acordar bem cedo e assistir ao famoso leilão de atum.

O vídeo abaixo mostra um pouco do leilão (3:10 min). Pulem o começo do vídeo pois é barulhento e desagradável (algum youtuber com um vídeo melhor? please entre em contato)!

Estivemos no mercado, e recomendamos a experiência a todos os nossos amigos leitores, no entanto, falhamos em assistir o leilão pelas seguintes razões:

Para assistir ao famoso Leilão de Atum no Mercado de Peixe Tsukiji, você deve chegar lá por volta das 3:00 da manhã, ou mesmo mais cedo✔️

A primeira rodada começa entre 5:25 da manhã e 5:45 am, e a segunda entre 5:50 e 6:10 am. No entanto, você precisará chegar bem mais cedo do que isso para garantir um lugar. 

Durante a alta temporada, a concorrência é tão grande que algumas pessoas chegam à 1am!

Se você não souber o horário ideal para chegar e o leilão for alta prioridade na sua viagem, considere contratar um um guia japonês.

Você deve passar a noite perto do Mercado de Peixe Tsukiji✔️

Não há serviço de trem (ou ônibus) 24 horas em Tokyo.

As distâncias na cidade são enormes, os táxis são caros e finalmente, nós desistimos de arruinar um dia todo de viagem por causa de um programa tão exigente, afinal, passar a noite em claro é garantia de estar acabado no dia seguinte. 

Mercado de Tsukiji, Tóquio. Foto: Patti Neves

Mercado de Tsukiji, Tóquio. Foto: Patti Neves

Como a maioria dos mercados de peixe, por volta de meio dia, as atividades diminuem bastante e tudo que você vai encontrar são pessoas limpando as barracas. Foi isso o que acabamos vivenciando (foto acima)!

Mas nessa horas, as coisas se tornam muito mais interessantes nas ruelas em torno do mercado.

Existem inúmeros restaurantes especializados em frutos do mar, lojas vendendo material de cozinha, casas de chá, pequenas vendinhas, e tudo mais o que você possa imaginar.

Simplesmente fantástico!

Conclusão: programa super recomendado!

Dizem os japoneses que os melhores sushis se encontram ao redor do Tsukiji, portanto se você desencanar de acordar cedo para o leilão, vá ao mercado um pouco mais tarde, ao menos para almoçar.

Arredores de Tsukiji, Tóquio. Foto: Patti neves

Arredores de Tsukiji, Tóquio. Foto: Patti neves

Onde: Estação Tsukiji Shijo (na Linha do Metrô Oedo). 

Espero que vocês tenham gostado do post! Que tal incluir uma aventura no Monte Fuji?

A Bruna do blog Expressinha foi até lá e conta tudo no post como visitar o Monte Fuji, e a região dos 5 lagos.

Gostou das nossas dicas?

Não deixe de assinar nosso blog: 

O que fazer em Toquio? 7 Programas bizarros na capital japonesa.

O que fazer em Toquio? 7 Programas bizarros na capital japonesa.