Bahamas, Onde Ficar
 Exuma Cays, Bahamas. Foto: Patti Neves

Exuma Cays, Bahamas. Foto: Patti Neves

Bahamas, onde ficar…?

Com centenas de ilhas paradisíacas, essa é certamente a questão que não quer calar, principalmente se você quiser nadar com os porquinhos das Exumas ou com famosos tubarões da área.

Mas antes de mais nada:

Bahamas oferece centenas de ilhas à serem exploradas, mas a maioria da galera acaba sempre na capital Nassau, de preferência em um resort bem turístico…

Mas você não precisa fazer como todo mundo!

O melhor jeito de ver o país (e os porcos nadadores) é tentar fugir de excursões e viajar de maneira independente…

Talvez a conexão em Nassau seja inevitável, mas vá por mim… tem lugar muito melhor para visitar nesse lindo arquipélago... 😎

E onde ficar nas Bahamas?

 As setecentas ilhas das Bahamas. Crédito:  Bahamas.com

As setecentas ilhas das Bahamas. Crédito: Bahamas.com

New Providence:

A ilha mais turística e populosa, onde se localiza a capital Nassau, destino de muitos cruzeiros que saem de Miami.

É lá onde ficam os grandes resorts, sonho de consumo da classe média sul-americana. As praias são frequentadas pelo típico turista norte-americano. Esquema família, vibe meio fake…

Grand Bahama:

Menos conhecida dos turistas, inclusive norte-americanos, é a ilha onde se situa Freeport.

A muvuca é um pouco menor do que em Nassau, portanto o destino chama a atenção de quem quer passar um tempinho mais relax, ainda que não totalmente isolado…

Bimini:

Bimini Norte, Sul e Leste apresentam lindas ilhotas privadas e algumas desabitadas.

Antigamente era o refúgio de quem queria fugir de Nassau (o vôo é de apenas 30 minutos)…mas a chegada de alguns resorts encareceu o local que antes era low key e garantia de sossego.

Exumas:

Sem dúvidas as ilhas mais paradisíacas das Bahamas. Todas as fotos deste post foram tiradas lá.

Composta pelas principais ilhas: Great Exuma e Little Exuma e as fantásticas Exuma Cays.

 Fazendo amizade com uma arraia. Foto:David Mattatia

Fazendo amizade com uma arraia. Foto:David Mattatia

Porque ficar em Great Exuma?

Great-Exuma é a escolha mais lógica se você quiser alugar um local tranquilo, sem multidões e com fácil acesso para as Exuma Cays (que são o highlight de qualquer viagem às Bahamas).

Great Exuma pode servir de base para os passeios bate-e-volta de um dia para qualquer uma das cays.

O que você vai encontrar nas cays (além de bancos de areia e ilhas desabitadas):

  • Mergulho (Scuba diving) sensacional

  • Possibilidade de hospedagem em Airbnb, Bed & Breakfast locais (e não somente Resorts)

  • Poder fazer teu próprio roteiro, sem depender de “pacotes turísticos”

  • Evitar as multidões de excursões ou cruzeiros

  • Nurse Sharks, Iguanas, e claro, os já consagrados Porquinhos Nadadores

 Banco de areia mágico em Exumas! Foto: Patti Neves

Banco de areia mágico em Exumas! Foto: Patti Neves

Como chegar às ilhas Exumas:

É só comprar um vôo low cost à partir de Miami diretamente para George Town (GGT).

Não há vôos direto do Brasil, mas caso você esteja vindo de lá, é possível fazer uma conexão em Nassau e de lá voar para George Town (Great Exuma).

É possível também voar direto de Nassau para Staniel Cay, mas aconselhamos George Town pois oferece mais variedade no quesito alojamento.

Se não souber como comprar as passagens sozinho, vá até o post Como Viajar Barato desse mesmo blog e comece a aprender a usar Skyscanner.

Se você estiver no Canadá ou em qualquer parte dos States a operação fica ainda mais fácil (são 6 horas de vôo de Montreal, por exemplo), e é possível chegar a George Town sem nem ao menos passar por Nassau.

 Praia em frente ao nosso B&B em Hoopers Bay. Foto: Patti Neves

Praia em frente ao nosso B&B em Hoopers Bay. Foto: Patti Neves

Onde ficar em Great Exuma:

Nós ficamos em um B&B chamado Coral Gardens em Hoopers Bay.

Pagamos relativamente pouco e a casinha que alugamos era bem de frente pro mar.

Quarto, banheiro e mini-cozinha (tipo kitchenette, mas no térreo, com jardim dando acesso à praia).

A praia (foto acima) era praticamente nossa em Dezembro. Dava até pra nadar pelado (e deu) ha ha…

Tínhamos cozinha privativa e fazíamos panquecas com banana pra comer de manhã. Claro que tivemos que fazer compras no supermercado local, mas isso só deixou a experiência ainda mais bacana!

Ficamos imaginando como seria morar por lá e até pegamos o Junkanoo, a festa nacional típica de George Town (24 Dezembro).

Os nativos são muito simpáticos e até fomos convidados para almoçar na casa deles. Nunca aceitamos nenhum convite, mas chegou a rolar algumas caronas!

 Junkanoo, festival nacional das Bahamas. foto: Patti Neves

Junkanoo, festival nacional das Bahamas. foto: Patti Neves

Estivemos em Hoopers Bay na época do Natal, e se você fizer como nós, encontrará o país muito tranquilo, já que a maioria dos turistas (AKA: americanos) estarão de volta aos US pra passar as festas.

Só não espere fogos ou o Papai Noel. Natal no Caribe é bem família mesmo, não tem nada na rua.

Nós quebramos o galho jantando em um restaurante fancy na noite do 25 Dez mas éramos praticamente os únicos clientes e as 11pm o restaurante estava fechando!

Até arrependemos de não ter aceitado o convite de um tiozinho pra passar o natal com a família dele rsrs…

Outros alojamentos na área:

Tenha em mente que Great Exuma não é o lugar mais mochileiro da terra.

Não existem hostels na ilha, então a escolha na faixa “budget” é mega limitada. Esse é o típico de lugar onde vale a pena ir de galera e alugar logo uma casa!

Budget:  Island Time Villas - de 90 à 150 US$ / diária

Midrange:  Club Peace and Plenty Hotel diária em torno de 200 US$

High End: Sandals Emerald Bay Golf Tennis & Spa à partir de 500 US$

 O maridão, feliz da vida em Musha Cay. Foto: Patti Neves

O maridão, feliz da vida em Musha Cay. Foto: Patti Neves

Descole um passeio de barco para as Cays:

É mais confortável alugar alugar um carro em George Town mas é possível ir de carona até o cais também. A ilha é bem pequena e os locais são mega friendly.

Os barcos que fazem os tours são geralmente pequenos, com 4-5 pessoas no máximo.

A maioria serve o Bahama Mama (drink local com suco de frutas + rum) e o Conch Salad, um “ceviche” local feito de um molusco gigante.

Algumas companhias que fazem as Cays:

Roteiro dos passeios de barco:

Pig Island (nome oficial Big Major Cay)

Os porcos nadadores caíram na grande mídia por volta de 2013.

Tivemos a sorte de visitar antes do grande boom, e achamos o local muuuito tranquilo.

Mas acho importante repetir que visitamos na semana do natal, e provavelmente estar lá no dia 25 de Dezembro foi um fator essencial!

 Big Major Cay, Bahamas. Foto: Patti Neves

Big Major Cay, Bahamas. Foto: Patti Neves

Como é nadar com os porquinhos nadadores:

Os porcos nadadores me pareceram ligeiramente ansiosos perto das pessoas.

Eu particularmente achei os tubs (nurse sharks) mais simpáticos, mais na “deles”…

Dica: não se jogue na água direto do barco, os porcos podem achar que você é comida. É sério!

Eu fiz isso e olhe o sorriso amarelo na foto abaixo…

 Ligeiramente empurrando o bicho… e pedalando mais que Robinho. Foto: David Mattatia.

Ligeiramente empurrando o bicho… e pedalando mais que Robinho. Foto: David Mattatia.

E sobretudo não dê comida para os porcos!

A situação chegou ao cúmulo quando turistas mataram alguns dos porcos em 2017

Sete dos porcos nadadores de Exuma, nas Bahamas, foram encontrados mortos na água depois de alguns turistas lhes darem cerveja e rum.

Hoje em dia os turistas estão terminantemente proibidos de alimentar os animais!

 Porco nadador nas Bahamas. Foto: Patti Neves

Porco nadador nas Bahamas. Foto: Patti Neves

Ninguém sabe como os porcos nadadores chegaram à ilha.

Existem várias teorias de que foram abandonados por piratas... ou até mesmo deixados por lá de como estoque (vivo) de comida para os barcos que por lá passavam regularmente.

Outra lenda conta que fugiram de algum barco que estava naufragando (existem destroços na área).

 Porquinho nadador se aproxima do barco. Foto: Patti Neves

Porquinho nadador se aproxima do barco. Foto: Patti Neves

Não existem humanos vivendo na Major Cay e os primeiros registros dos nativos que lá passaram simplesmente não existem.

Ou seja, a ilha dos porcos é dos porcos e de mais ninguém!

Nadar com tubarões nas Bahamas:

Compass Cay (Nurse Sharks)

bahamas-onde-ficar.2.JPG

Staniel Cay é uma parada bem popular para almoço. Os tubs ficam por ali tranquilos, virando ao redor do cais.

A ilha também possui um campo de golfe e uma marina.

Só tome cuidado para não ser mordido, como aconteceu com essa modelo em Julho de 2018.

Aparentemente agora existe uma placa na praia dizendo que os nurse-sharks PODEM e MORDEM pessoas, mas claro que acontece com uma minoria, se não ninguém entraria na água.

Compass cay também tem tubs. Aliás é por lá que a maioria do pessoal faz as fotos.

Outras atividades em Exumas:

Thunderball Grotto (onde foi filmado 007)

 Euzinha no Grotto. Foto: David Mattatia

Euzinha no Grotto. Foto: David Mattatia

A vida marinha do grotto é sensational.

É um perfeito spot de snorkelling, e você se sente nadando em um aquário tropical.

Sem dúvida um dos lugares mais ricos em diversidade de peixes (para os que não se aventuram no scubadive)!

Allen’s Cay (Iguanas’s Island)

 Mais uma amizade conquistada em Allen’s Cay. Foto: David Mattatia

Mais uma amizade conquistada em Allen’s Cay. Foto: David Mattatia

De longe um dos lugares mais surpreendentes nas cays, a ilha das iguanas não chega a ser tão famosa quanto a ilha dos tubs ou dos porquinhos, mas adoramos ter parado por lá (pois nem sabíamos que o lugar existia)!

São quase 1.000 iguanas vivendo em uma ilha minúscula…

Pesquisando um pouco depois, descobri que a a iguana-rocha de Allen Cays (Cyclura cychlura inornata) é uma subespécie ameaçada de extinção, e que é somente encontrada especificamente em Allen's Cay, nas Bahamas e nenhum outro lugar do planeta.

Infelizmente a espécie estava ameaçada por “poaching”, pessoas de má fé que capturam os animais para vender como pets (!) mas a boa notícia é que o governo tem tomado providências.

Musha Cay

Musha faz parte de um complexo conhecido como a ilha de David Copperfield.

Você não pode atracar (ou visitar) o resort, a não ser que alugue o local todo. Confira no My Private Villas website.

Musha cay, na verdade um banco de areia, aparece somente 4h ao dia, na maré baixa…

Ps. O nome do mágico não tem nada a ver com a magia do desaparecimento da ilha. A ilha principal pertence realmente ao Mr. Copperfield.

 Musha Cay, a ilha que desaparece com as marés. Foto: The Globe and Mail

Musha Cay, a ilha que desaparece com as marés. Foto: The Globe and Mail

Outros bancos de areia também estão disponíveis… 😎

Tudo dependerá do horário em que você estiver passando por lá!

Se você não conseguir convencer o seu barqueiro a parar em Musha, saiba que são inúmeros bancos de areia no meio de uma água turquesa estonteante!

 Curtindo um momento de paz em Musha Cay. Foto: David Mattatia

Curtindo um momento de paz em Musha Cay. Foto: David Mattatia

Melhor época para ir à Bahamas:

No verão (Dez-Mar), as Bahamas atingem temperaturas de até 35 C.

Embora as praias estejam mais cheias (principalmente Nassau), a melhor temporada vai de Novembro à meados de Abril.

Estivemos na última semana de Dezembro, e foi sensacional!

Cuidado com a época do spring-break americano. Normalmente 1 ou 2 semanas em torno da páscoa.

Se você tiver mais de 21 anos, talvez prefira fugir como o diabo da cruz…

A temporada de “risco” de furacões vai de julho a outubro.

Para salvar o post no Pinterest, passe o mouse sobre a imagem e clique no pin:

Bahamas,+onde+ficar?.png

Outros tours nas Bahamas:

Gostou do post?

Compartilhe usando os botões abaixo: